RECONHECIDO COMO CRAQUE DENTRO DE CAMPO; CONHEÇA A HISTÓRIA DE FELIPE PRIOR NO FUTEBOL UNIVERSITÁRIO



Eliminado na noite de ontem, o Ex-BBB Felipe Prior é cheio de histórias dentro das quatro linhas. Considerado como craque, o jogador coleciona títulos em sua carreira universitária. O Mago, como é carinhosamente chamado por sua torcida, tem grande importância tanto no futebol de campo quanto no futsal do Mackenzie. Onde é reconhecido por ser um dos melhores jogadores da faculdade.


Felipe se formou na Faculdade De Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo. Em seu tempo de curso, o Ex-BBB colecionou histórias e títulos do INTERFAU, campeonato das faculdades de arquitetura de São Paulo. Disputou seis torneios e venceu cinco pelo futebol de campo. Já no futsal teve um aproveitamento ainda melhor: tendo 7 conquistas em 7 campeonatos disputados. Prior é marcado por ser o "xerifão" do time, dentro do gramado é muito comprometido ao jogo (isto foi bastante percebido durante o reality).


Características dentro de campo

Felipe Antoniazzi começou sua carreira como volante mas foi percebendo que seria um melhor jogador como zagueiro. E acabou se tornando um dos melhores da faculdade. Jogando nesta posição chegou a estar duas vezes na Liga Mackenzie, equipe que consiste em ter os melhores jogadores de todos os cursos da Universidade.



Em entrevista dada a ESPN, Andrey Marques meia-atacante que entrou na equipe em 2012 um ano depois de Felipe. Disse:

"Ele sempre ficava cantando o jogo, tentando ajudar a posicionar o time. Por mais que ele fosse muito bom desarmando jogadas, tinha muita calma para sair jogando e toca muito bem a bola".


"No meio universitário, era um cara completo na defesa, ia bem em bola aérea, no mano a mano, na corrida e na saída de jogo. Logo que entrei pro time, todo mundo já respeitava ele como jogador", analisa.


Ainda em entrevista dada a ESPN, Andrey disse que as vezes é um pouco difícil jogar na equipe de Prior pelo seu temperamento difícil, pois o atleta reclamava de tudo. Contudo sua qualidade e sua entrega dentro dos gramados, compensavam o comportamento, afirma o amigo.


"Você sabia que ele entregava 200% no jogo, e ia se matar para ganhar. Sempre foi muito competitivo, o que era bom demais".




Futebol e Cerveja

No Brasil os jogos entre universitários são organizados juntamente com shows, festas e muita bebida. Por isso os atletas costumam jogar as partidas sempre bêbados, o que aconteceu com o mago.

Ainda em entrevista a ESPN, Andrey conta que Prior já disputou dois jogos completamente alterado e surpreendeu atuando muito bem.

"Felipe já chegou a jogar uma semi ou final de Interfau bem bêbado! E foi impressionante: todo mundo meio bravo com ele, que mesmo assim jogou muito", contou o companheiro de time.

"Teve uma outra vez na qual ele estava bêbado e o técnico não deixou ele jogar. Ele ficou p..., aí entrou no segundo tempo e jogou muito", complementou o amigo.


Perna quebrada

As vezes a entrega de Prior virava excesso. Em uma partida pelo Interfau contra a equipe da USP o adversário levou a pior e acabou quebrando a perna.


"Era um jogo contra a FAUUSP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo), no ano de 2015, em Caconde (interior de São Paulo). Os Jogos Universitários sempre têm jogos pegados, e o pessoal da USP já tinha uma birra com o Prior. Ele estava jogando muito, Não perdia uma dividida. E teve uma bola que o cara deles entrou para dividir forte, assim como ele, e o adversário acabou levando a pior e fraturou a perna. Porém o próprio cara da USP sabe que não foi intencional", garante Andrey.


O jogador também usava de malandragem típica de atletas argentinos. Em um jogo bem disputado contra a FAUUSP, Felipe percebeu a ausência de gandulas no jogo. A partir daí, toda bola que vinha nele ele e isolava para ganhar tempo. Com isso acabou segurando o placar, e vencendo o jogo.


As Finais

Alem do Interfau, Felipe Antoniazzi disputou vários campeonatos universitários. Com isso chegou a jogar duas finais ao mesmo dia.


"No TUPI, torneio em Bauru, fomos pra final do campo e salão, e ambas eram no mesmo dia. Fomos campeões no Campo, e depois, cansados, jogamos e perdemos a final do salão para a UNESP Bauru", relembra Andrey.

"Teve uma final que foi para a disputa de pênaltis e ele foi um dos jogadores que perderam a cobrança. Mas, em outra decisão, ele foi um dos que fez um dos gols da vitória, de cabeça, em um Interfau", finaliza a entrevista dada à ESPN.




35 visualizações